A Divina Comédia - Paraíso

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Paraíso
Este deslivro pertence ao Paraíso de Dante.
Dante tem a Visão Beatífica de Deus.

Paraíso® é a terceira parte da Divina Comédia. A Bíblia registra a sua construção como: "... e ao sétimo dia descansou no Céu." e Dante aceita essa versão em sua obra. Nesta parte a companhia de Virgílio é trocada por Beatriz, simbolizando a diferença entre Inferno e Paraíso para Dante.

A geografia do Paraíso foi baseada no modelo umbigocêntrico de Ptolomeu que aceitava a Terra como o centro do universo com tudo girando ao nosso redor, bem Deus parecia não ter lá muita noção de custo-benefício por ter criado trilhões de estrelas em trilhões de galáxias apenas para girarem em torno da Terra... enfim... Urano e Netuno foram excluídos porque... porque bem, Deus quis, e quando Deus manda, ele manda mesmo. Plutão foi excluído também por, como se sabe, ter sido rebaixado para planeta-anão pela comunidade astronômica mundial.

Dante vê o Paraíso como um imenso resort de férias permanentes cheio de delícias, gente vestido de branco tocando harpas, composto de dez andares que podem ser explorados subindo-se através de um elevador panorâmico até o oitavo andar, já que o terraço onde está Deus o acesso é só por uma escada de ouro.

Para reservar uma vaga no Paraíso entre em contato com São Pedro mediante de um de seus escritórios em cada igreja, mosteiro ou catedral, ou então diretamente, lançando-se do alto de um viaduto, sem pecados na vida, caso contrário a expedição para o Paraíso pode acabar nos quartos reconfortantes do Inferno.

Tudo no Paraíso é o oposto do Inferno. Há luzes, mordomias, música boa, cerveja. Dante durante a jornada não para de ficar olhando a bunda de Beatriz, sua amada angelical guia com quem na vida real não passou de um amor platônico. A cada novo capítulo Dante estupidamente fica olhando as luzem cegando-se consecutivas vezes com o ardor das luzes do Paraíso.

Céu da Lua[editar]

Dante todo noiado voando com Beatriz pelo espaço sideral.
Cantos I - II - III - IV - V


O Primeiro Céu fica na Lua, lá estão as almas dos bem-aventurados e alguns módulos da NASA. Dante que chegou or lá antes de Neil Armstrong descobre que na Lua estão as almas daqueles que foram bem-aventurados mas que não cumpriram seus votos integralmente por terem em algum instante cedido às tentações do mundo. Por isso que Dante encontra por lá umas três prostituas florentinas que morreram de sífilis gonorreica e causaram muita falta para Dante que decidiu homenageá-las em sua obra.

Só nos capítulos do Céu da Lua, Beatriz fala mais que toda a participação de Virgílio ao longo das duas primeiras partes do Poema, a razão disso é que Beatriz e Dante se falaram apenas umas duas vezes no mundo real (e foram só um "oi"), por isso Dante que um nerd poeteiro não resistiu narrar ele sua musa em longas conversas.

Céu de Mercúrio[editar]

Beatriz reprimenda Dante por estar usando aquela roupa demasiada constrangedora. O que Dante fez? Pegou um pano de mesa e recortou uma bola no meio para passar a cabeça?
Cantos VI - VII


Estudos têm mostrado, por incrível que se pareça, que o Paraíso deve estar acima das nuvens, caso contrário, todos iriam ver os anjos, e não apenas a sua própria urina (ie chuva). Por isso o Céu se expande ao longo do espaço, porque o espaço só foi explorado por naves espaciais, astronautas, e todas essas coisas de ficção científica ateísta que tentam desmentir a religião.

No Céu de Mercúrio estão as almas daqueles que realizaram boas obras, mas visando mais às recompensas humanas do que Deus. Mas que por terem pagado uma certa cota do dízimo puderam garantir seu apartamento nos andares mais baixos do Paraíso.

E Beatriz? Essa não parou de falar um segundo, deu desde aula de história do Império Romano à teologia do significado da crucificação de Jesus como pegadinha a ser pregada nos Apóstolos.

Céu de Vênus[editar]

Dante apreciando as instalações do Céu de Vênus. O Céu do Amor.
Cantos VIII - IX


O Céu de Vênus acolhe os que muito amaram. É a única salvação possível para os gays que não desejam ser punidos empalados por Motumbo no Segundo Círculo do Inferno é amar para ver se acaba aceito em Vênus.

Por ser o Céu do Amor, é onde estão as almas que não são cabaço mas que foram pessoas boazinhas.

Céu do Sol[editar]

Um pombo tirando cera de ouvido de Tomás de Aquino. Um tipo de mordomia do Paraíso.
Cantos X - XI - XII - XIII - XIV


O Céu do Sol reúne os CDFs da Igreja, por isso é lá que está São Tomás de Aquino, a maior autoridade da história no quesito.

Nessa parte ocorre um debate entre os franciscanos (São Francisco de Assis) e os dominicanos (São Domingos), reconhecidos por suas vidas de eremitas, um fala bem da ordem do outro, mas no final todo mundo fica de acordo que está tudo uma merda por causa da pedofilia, sem contar que 80% dos papas estão no Inferno.

Neste capítulo é uma lição atrás da outra, fazendo deles um dos mais incompreensíveis de toda Divina Comédia, logo um dos mais pulados e menos lidos também.

Céu de Marte[editar]

Dante e Beatriz observam Marvin e os marcianos do Céu de Marte.
Cantos XV - XVI - XVII


No Céu de Marte estão aqueles que lutaram pela Igreja, ou seja, é onde estão as almas dos Cruzados (para os luteranos) e dos suicidas auto-explosivos barbudos que se jogam de avião nos edifícios (para os maomeanos).

Ao chegar no local Dante observa uma grande encenação da Via Crucis para simbolizar que ele estava na Páscoa na época que escreveu essa parte.

É neste Céu que Dante encontra seu tatatatatatatatatatatatatataravô que lutou na Primeira Cruzada e foi morto por um gole de cimitarra do Prince of Persia. Entretanto ele trouxe más notícias para Dante, ele profetizou que o Poeta seria exilado de Florença num futuro próximo por um grupo de burocratas irados que duvidam que o homem esteve na Lua. Dante, todavia, não pode ficar com raiva dessa notícia, afinal a ira o condenaria de volta para o Sétimo Círculo do Inferno, então ele continuou se focando apenas na bela Beatriz.

Céu de Júpiter[editar]

Dante encontra os anjos do Céu de Júpiter.
Cantos XVIII - XIX - XX


No Céu de Júpiter estão os espíritos justos. Na falta de gente para povoar esse Céu Dante acabou descrevendo uma águia gigante com que conversou nessa parte. Esta águia deu uma imensa lição sobre a lógica do Paraíso, digna de quem leu Tomás de Aquino.

Por ser mais uma conversa cansativa e quase insalubre, é por estes tipos de exaustivos capítulos que fazem o Paraíso ser a parte menos lida em toda Divina Comédia.

Céu de Saturno[editar]

Dante olhando para a bunda de Beatriz.
Cantos XXI - XXII


No Céu de Saturno estão os espíritos contemplativos e místicos, ou seja, aqueles que durante a vida fizeram absolutamente porra nenhuma além de pensar em Deus. Essas pessoas por terem desperdiçado uma vida inteira, não terem bebido cerveja, não terem feito sexo, não terem contado piadas, não terem dado o cu, não terem jogado videogame, não terem torcido para nenhum time de futebol, literalmente não terem aproveitado a vida, Deus por pena coloca esses no Céu de Saturno onde existe um vasto campo de paintball para se divertirem.

Céu das Estrelas Fixas[editar]

Motivo pelo qual Superman não se encontra no Céu das Estrelas Fixas.
Cantos XXIII - XXIV - XXV - XXVI - XXVII


No Céu das Estrelas Fixas estão os espíritos triunfantes. Aqueles que aparecem como bonzinho na Bíblia.

Nessa parte Dante é sabatinado com uma série de perguntas como se estivesse apresentando uma monografia de catequese. Nesse mini-Show do Milhão Dante responde as perguntas de São Pedro, São Tiago e São João envolvendo diversos temas dentre , geografia, caridade, fontes renováveis de energia e Desciclopédia.

Primeiro Móvel[editar]

Dante e Beatriz observam o ponto que faz girar todo o universo.
Cantos XXVIII - XXIX


O Primeiro Móvel é o nono céu, não tem ninguém lá, só um servidor de 7777 terabytes que coloca esse imenso The Sims que é o universo para funcionar. Quem trabalha cuidando desse servidor são os anjos. Beatriz explica que esses operários (anjos) são divididos em nove categorias, e aqueles mais revoltadinhos viram anjos caídos.

Toda segunda-feira há no Primeiro Móvel shows de mágica e ilusionismo liderados por Moisés.

Empíreo[editar]

Dante na festa do Empíreo (quem disse que o Paraíso não vale a pena?).
Cantos XXX - XXXI - XXXII - XXXIII


O Último Céu é o Empíreo onde está lá Deus jogando The Sims com os humanos. Os beatos eleitos que vivem lá são bem poucos. As regalias dos habitantes do Empíreo incluem: acesso à Internet 24 horas por dia com uma conexão de 1024Tb, campo de mini-golf, golf, e super-golf. Cinema panorâmicos com 7500 quartos (todos são VIP grátis). Assinatura grátis do Big Brother Planeta Terra. Buffet com salaminho. Futebol daqueles feitos naqueles pula-pula cheios de sabão. Uma enorme geladeira cheia de cerveja. Open-bar. 18 comediantes por metro quadrado. 47 cemitérios para os necrófilos. Parquinho para as crianças que foram abortadas e morreram puras. Dois cães segurando por coleiras dois homens conversando latindo (é que Deus tem senso de humor). Uma ampla área wi-fi. Chocolate para aqueles que conceberam a Desciclopédia. A liberdade de não haver nenhum emo ou otaku. E 12 bailarinos anões de circo a cada 3 piscinas de água quente-para-morna com gigolôs grátis.

Após toda essa aventura Dante retorna para a Terra, onde sua esposa diz: "Onde você esteve todo esse tempo?", e para responder isso Dante acabou escrevendo A Divina Comédia, e a porrada que levou de uma panela de sua esposa o fez ver estrelas.

<<Purgatório Paraíso


A Divina Comédia
Sumário - Prefácio - Índice
Inferno
I - II - III - IV - V - VI - VII - VIII - IX - X - XI - XII - XIII - XIV - XV - XVI - XVII - XVIII - XIX - XX - XXI - XXII - XXIII - XXIV - XXV - XXVI - XXVII - XXVIII - XXIX - XXX - XXXI - XXXII - XXXIII - XXXIV

Purgatório
I - II - III - IV - V - VI - VII - VIII - IX - X - XI - XII - XIII - XIV - XV - XVI - XVII - XVIII - XIX - XX - XXI - XXII - XXIII - XXIV - XXV - XXVI - XXVII - XXVIII - XXIX - XXX - XXXI - XXXII - XXXIII

Paraíso
I - II - III - IV - V - VI - VII - VIII - IX - X - XI - XII - XIII - XIV - XV - XVI - XVII - XVIII - XIX - XX - XXI - XXII - XXIII - XXIV - XXV - XXVI - XXVII - XXVIII - XXIX - XXX - XXXI - XXXII - XXXIII